Relato de Amamentação – Sylvana Karla

Relato de Amamentação – Sylvana Karla

Convidamos algumas mães para participar de nosso blog, postando seus relatos de parto (seja ele qual for: normal, natural, hospital, domiciliar, cesárea, gemelar, etc) e os depoimentos sobre amamentação – extremamente importantes, para orientar futuras e recentes mamães com suas experiências.

O relato a seguir é da nossa convidada Sylvana Karla, Engenheira e Analista de Sistemas, Doula, Organizadora do Ishtar Brasília, Professora e Coordenadora Pedagógica em Educação a Distância e mãe do Ernesto (nascido em 04/01/2007) e da Joana (nascida em 20/02/2010).

Depois de engravidar, meu sonho era amamentar para me sentir completa. Queria sentir o calor do meu filho perto de mim, que ele pudesse ter o contato mais natural possível com as vitaminas que o leite materno dispõe. Pra minha felicidade, em uma das consultas do pré-natal, minha médica disse que eu já tinha colostro, aos 5 meses de gestação. Mas meus seios são pequenos e eu pensava que não teria leite suficiente. Pensei também: “e se ele não quiser mamar?” Eram tantas as dúvidas e inseguranças, juntando com os hormônios super-ativados da gravidez, que o jeito mesmo era esperar pra ver. Participávamos de um grupo de casais grávidos onde aprendemos sobre o antes, o durante e o depois do nascimento. Essa vivência nos ajudou bastante, dando-nos segurança e desmistificando muitas crenças que passam de geração em geração.

De um parto domiciliar, nasceu Ernesto! Nosso primogênito chegou no dia 4 de janeiro de 2007, após 21 horas de trabalho de parto  acompanhadas das doutoras Melania e Leila e da doula Daniela.  Durante todo o TP, o apoio do pai foi incondicional, auxiliando nas massagens para relaxamento durante as contrações e sempre presente chamando: “vem, Ernesto!”. O momento do nascimento é maravilhoso! O fato de Ernesto ter ido para meu colo logo após a expulsão foi de extrema importância: o reconhecimento do seio, o calor dos braços da mãe, mesmo antes de cortar o cordão umbilical. Pra minha felicidade, ele queria mamar! E depois que o leite “desceu”, haja peito! Tanto que consegui armazenar alguns vidros de leite. Levei alguns para doar, e ainda consegui fazer um pequeno estoque congelado ou pasteurizado.

Queria que meu filho mamasse exclusivamente mesmo após minha licença maternidade terminar. Sempre adotei a técnica de deixá-lo mamar um dos seios o máximo possível para que, dessa forma, ele pudesse sugar o colostro que vem primeiro e o “leite de verdade” que vem depois. Depois, na próxima mamada ele mamava o outro seio o máximo possível. Aprendemos que deixá-lo mamar 15 min em um seio e 15 min em outro era errada, pois assim ele acaba mamando somente o colostro e não ganha peso. Nos primeiros dias, confesso que fiquei desesperada, pois ele escolheu um dos seios e não queria o outro. O mamilo daquele que ele escolheu começou a rachar e o outro, cheio, vazando, começou a “endurecer” e doer, foi sofrimento. Tinha que persistir, e não desistir de amamentar. Contei com a ajuda da “bombinha” pra esvaziá-lo e com a ajuda do pai para fazer o bico rejeitado “aumentar”. Era isso! Eu tinha um dos mamilos “curto” e Ernesto preferia aquele mamilo maior, que dava uma pega melhor. Ele mamava, 40, 50 minutos. Na próxima mamada ele não aceitava o outro, e doía e eu chorava e ele chorava também. Depois, com insistência e paciência, o problema foi resolvido em alguns dias! Outra noite de sofrimento que marcou foi por volta do 7º dia de nascido. Ernesto mamou. Mas mamava e chorava. Desesperado! Ninguém dormia. Pensei: “meu leite secou!”. Apertava os mamilos e não saía leite. O que eu faço? Pedi uma lata de complemento na farmácia. “Ah, não! Vou ter que dar complemento, com menos de 1 mês?” Calma! Liguei pra doula, conversamos um pouco. Resolvemos que iríamos esperar até o dia seguinte para ver se o fluxo de leite voltaria ao normal. Ligamos pra farmácia e cancelamos o pedido do complemento. De fome ele não ia morrer. Fomos acalmando-o com carinho e oferecendo o peito, nem que fosse pra fazer de chupeta. No outro dia, para a nossa felicidade, o leite jorrava! Ernesto agradecia e se esbanjava de tanto mamar!

Enfim, nada como o apoio de pessoas certas numa hora dessas! Hoje, com 1 ano e 6 meses, Ernesto ainda mama. É um garoto saudável, alegre e esperto.

Sylvana Carla, mãe do Ernesto

*************************************************

Alguém quer partilhar a experiência?

Agradeço antecipadamente. E peço que as interessadas  me mandem, por email quando puder, é claro –  o seu relato de parto e/ ou depoimento  de amamentação com os seguintes dados:

– o nome que vc quer que eu coloque no blog (completo ou não);
– informações suas, tipo profissão/ ocupação e idade dos filhos
– tempo de aleitamento

Enviarei um email avisando da data em que esse relato/ depoimento será postado no site, assim como o link para ele.

Obrigada, mais uma vez!

3 thoughts on “Relato de Amamentação – Sylvana Karla

  1. Bem, eu gostaria de que vc me falasse sobre o que fez para ter leite durante esses 1 ano e 6 meses.
    Estou na minha 3ª gestação, a 1ª só tive leite por 1 mês, a 2ª ainda usei alguns medimentos (até mesmo nasal) para estimular o leite a descer e só durou 3 meses mas agora, eu não queria que o meu bebê tivesse mais tempo de amamentação, o que faço?
    Estou grávida de 5 ¹/² meses então, o que posso fazer desde já para que após seu nascimento, o bebê mame ao menos os 6 meses que são indispensáveis?

    Fico no aguardo,
    Luciana Rivas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *