Amamentação – minha experiência

Amamentação – minha experiência

2 anos, 1 mês, 2 semanas e 6 dias. É esse o tempo que vem durando a minha maior e melhor experiência dessa vida: ser mãe. Minha filhota nasceu em uma quinta-feira, de um dia do calendário que até então eu detestava (17) de um janeiro frio, para não dizer congelante, do inverno canadense. Dia de tempestade de neve, claro!

Mas, não foi de parto que eu vim falar, e sim de amamentação. A minha segunda melhor e mais excitante viagem pelos dias da vida. Julie nasceu mamando. Bem, isso é modo de falar, todo mundo sabe. Ela nasceu e foi direto pro peitinho da mamãe, que a esperava ansioso. Eu estava ansiosa também, mas aqui falo do peito.

Amamentação para mim sempre foi algo lógico, natural, claro, e uma extensão do nascimento. Amamentar era uma atitude lógica para qualquer mãe, me dizia eu, antes da experiência de engravidar. Foi quando comecei a ver “as outras cores da vida”, ouvir mães e más experiências a torto e a direito, e o pior, sem nem pedir. Mas, isso é assunto pra outro dia, outro post de blog.

Na minha cabeça, peito era a única coisa que ela deveria receber ao nascer, nos primeiros seis meses de vida e até quando quisesse. Isso era o que eu pensava, o pai assinava em baixo, porém, o resto do mundo não. Em nossas famílias, MUITAS, dezenas, de histórias frustantes, experiências frustradas e até desesperadoras de amamentação. Isso me influenciou? Nem um pouco. Aliás, pelo contrário, acho até que incentivou a querer fazer extamente o contrário (como boa escorpionina): conseguir!

E assim foi… a viagem começou ali mesmo, na cama, com a minha pequena bem quentinha nos meus braços, cheirando aquele perfume que só ela tem, o de cria minha. Ela subiu pela barriga sozinha, fazendo aquele esforço monstro para um ser tão frágil e pequeno, mas tão ávido de leite! E abrindo a boquinha num gesto tão instintivo, pegou o bico do seio e foi-se… mamando e mamando até hoje.

Tudo sempre foi flores? Não. Tivemos nossos dias de cansaço, de aperreio, de peitos inchados e sem pega correta, de picos de crescimento fatigantes, mas sobrevivemos bravamente, as duas. Estamos aqui, inteirinhas, comerando essa data, aleatória, com três grandes mamadas ao dia, que resistiram à volta ao trabalho da mamãe, às idas à escolinha de Julie, às noites longas do inverno.

 *********

E você, quer nos dar seu testemunho de amamentação também? Partilhe sua experiência conosco! Escreva um email para [email protected] com seu relato. Adoraremos compartilhar isso com nossas leitoras.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *