Insônia de gravidez – isso existe!

Insônia de gravidez – isso existe!

Entrei num período chato da minha gravidez, o tal do período “insone”.

Nas primeiras semanas, de muito enjôo, tomava o tal do “remedinho milagroso” que me fazia capotar a noite inteira. Dormia que parecia um urso hibernando. Não acordava nem pro trem! Aliás, tinha a nítida sensação de dormir mil horas em apenas uma noite de sono de 7, 8 horas, em média. Tudo culpa do (ou graças ao) tal do remédio.

Depois que a barriga começou a crescer mais, ganhar volume, a bexiga tem sido comprimida e os xixis repetidos começaram, mas nem isso me atrapalhou o sono, semanas atrás. Mas, de umas três semanas para cá – estou na 29ª semana de gestação – ando tendo episódios de insônia a repetição.

Não tive muita insônia na minha primeira gravidez. Aliás, não me lembro de acordar assim no meio da noite e ficar “fritando” por horas na cama, pensando na vida…

Só no final, quando já estava no “extra” – ela veio com quase 42 semanas de gestação – com respiração difícil e sem achar posição é que eu comecei a ficar insone. Algumas vezes eu ia para minha sala, sentava no sofá, tentava ler alguma coisa, mas não conseguia fixar a minha atenção em nada… e eu queria realmente era dormir, porque ficar acordada no meio da noite me enchia de sono durante o dia, o que alterava sobremaneira o meu humor. Aqueles foram os primeiros episódios de insônia da minha vida (sempre dormi muito bem), eu não soube absolutamente o que fazer. Passou a ser uma das “novidades” da gravidez que eu não gostei!

Não sei o que me causava insônia, porque não aprendi a detectar sua origem. Mas, o que vale, é que não me importei. Era o fim da gestação e poderia ser ansiedade, falta de posição ou até falta de cansaço suficiente. Trabalhei até a 38ª semana, sem problemas. Subia escadas, pegava, em média 4 ônibus por dia, andava com botas, casacos e peso o dia todo (estávamos em pleno inverno canadense). Acho que isso contribuiu a um sono bom durante ¾ da gestação. Na hora que parei de me exercitar assim, o cansaço físico diminuiu também e a insônia tomou conta.

Desenvolvi uma técnica para lidar com minhas atuais noites insones. Geralmente começo me perguntando o que ligou o meu sistema de alerta. Por que acordei? Do que estou com medo? O que está me deixando insegura a ponto de abalar o meu descanso? O que está pendente? O que ficou mal resolvido?

No começo é difícil responder essas questões. Por vezes tenho tendência a achar que não há nada. Mas faço um check-list minucioso pelo que mais tem peso em minha vida: filhos, marido, familiares, amigos, profissão, futuro… e sempre encontro o que está em desequilíbrio. Permito então que o pensamento intruso invada de vez a minha cabeça, para que eu possa conhecê-lo intimamente, nos pormenores, até ao ponto de dormir com ele, se for o caso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *